Devassa

Novo espetáculo da Cia. dos Atores se debruça sobre

“A Caixa da Pandora – Lulu”, texto de Frank Wedekind

Espetáculo re-estreia dia 7 de agosto, no Teatro Glaucio Gill

Nova empreitada da Cia.dos Atores, o espetáculo “DEVASSA”, baseado na peça “A Caixa da Pandora – Lulu”, de Frank Wedekind, com re-estreia marcada para 7 de agosto, no Teatro Glaucio Gill (Copacabana), traz um marco na história da companhia: pela primeira vez, em seus 22 anos de existência, a Cia convidou uma diretora, a alemã radicada na Bahia, Nehle Franke. Como de costume, o grupo investiga a obra, buscando uma releitura criativa do texto original, nesse caso, o manuscrito escrito por Wedekind entre 1892 e 1894, versão anterior da obra que sofreu modificações devido à censura alemã e redescoberta e publicada na Alemanha somente um século depois, em 1988. Para o novo projeto, além da diretora, a Cia. contará com a participação de atores convidados – Alexandre Akerman, Marina Vianna e Pedro Brício. Eles se juntam em cena a três atores da Cia.: Bel Garcia, César Augusto e Marcelo Olinto. A Cia é conhecida por montagens como a premiada leitura do clássico de Skakespeare, “Ensaio. Hamlet” (2004/2005), e “Melodrama”, de Filipe Miguez, sucesso nos anos 90.

Em 1891 Wedekind mudou-se para Paris, onde escreveu boa parte da obra que se tornou conhecida como “Lulu”, composto por dois textos, “Espírito telúrico” e “A caixa de Pandora” (adaptado para o cinema em 1929, por Georg Pabst). A obra, dividida em cinco atos – os três primeiros se passam na Alemanha, o quarto em Paris, e o quinto em Londres – faz parte do repertório teatral alemão, peça chave do teatro moderno do país. A peça, na época, foi dita reveladora e revolucionária em relação à imagem (masculina) da mulher na sociedade (patriarcal).

“O próprio Wedekind chamou sua obra mais conhecida e repetida no teatro alemão de ‘tragédia monstre’. ‘Lulu’ é um texto sobre ascensão e queda, numa trajetória trans-européia da misteriosa figura feminina Lulu, a mulher a quem qualquer homem é permitido projetar qualquer expectativa. Em “DEVASSA”, a personagem Lulu é dissecada pelos atores a partir das mortes dos maridos que acontecem ao longo da narrativa. Aqui, o termo “devassa”  brinca tanto com a percepção popular de uma mulher “sem freios”, quanto, com o sentido estrito da palavra que diz respeito a uma pesquisa minuciosa de provas e interrogatório de testemunhas para averiguação de um fato criminoso ou presumido como tal. O contato da Cia.dos Atores com a obra de Wedekind teve início já na década de 1990, quando o ator e figurinista Marcelo Olinto fez os primeiros estudos sobre o texto. Em 2009, Olinto decidiu resgatar a história e sugeriu a montagem da peça aos demais integrantes da Cia.dos Atores. “Criamos uma nova cara para a Lulu”, conta Olinto.

A ideia de chamar Nehle para a direção do espetáculo ganhou corpo pouco a pouco, à medida que os caminhos da Cia. e da diretora se cruzavam em diversos festivais Brasil afora. As afinidades percebidas deram ao grupo a certeza de que a alemã-baiana seria a pessoa perfeita para assumir o novo desafio. Além disso, Nehle já desenvolvera intimidade com o texto de Wedekind, comumente encenado em seu país. Nehle sugeriu trabalhar a partir da versão original de Wedekind – sem cortes. “Lulu foi muito censurado. O autor o modificou muitas vezes na luta pela existência do texto”, explica a diretora, que, juntamente com o marido, Roberto Franke, traduziu o texto sobre o qual se debruçou, junto à Cia. dos Atores. Entre seus mais recentes trabalhos, destacam-se “Murmúrios” (2005), “Roberto Zucco” (1998), e “Divinas Palavras” (1997), espetáculos premiados e que participaram de diversos festivais pelo país. Desde 1996, Nehle vive em Salvador, onde criou, em 2008, o Festival Internacional de Teatro da Bahia, do qual é curadora e coordenadora.


FICHA TÉCNICA

Direção – Nehle Franke

Texto original – Frank Wedekind

Tradução do texto original – Roberto Franke e Nehle Franke

Criação, adaptação e atuação – Alexandre Akerman, Bel Garcia, César Augusto, Marcelo Olinto, Marina Vianna e Pedro Brício

Dramaturgista – Matthias Pees

Figurino – Marcelo Olinto

Iluminação – Maneco Quinderé

Cenografia – Aurora dos Campos

Projeções – Paola Barreto e Caito Mainier

Direção Musical –  Rodrigo Marçal

Direção de Produção – Rossine A. Freitas

Realização – Cia. dos Atores

SERVIÇO

Espetáculo: “Devassa – Segundo A Caixa da Pandora (Lulu)”

Local: Teatro Glaucio Gill

Direção e Adaptação – Nehle Franke

Texto original – Frank Wedekind

Tradução do texto original – Roberto Franke e Nehle Franke

Criação, adaptação e atuação – Alexandre Akerman, Bel Garcia, César Augusto, Marcelo Olinto, Marina Vianna e Pedro Brício

Temporada: 7 a 30 de agosto de 2010

Dias e Horários: Sábados às 21h, domingos às 20h, segundas às 20h (com debates após espetáculo)

Duração: 100min

Ingresso: R$ 20,00 (vinte reais) e R$ 10,00 (dez reais) para estudantes e maiores de 60 (sessenta) anos

Lotação: 104 lugares

Classificação indicativa: 18 anos

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: